Senior woman practicing yoga on jetty

O título da matéria da UOL Saúde é: “Estudo revela que benefício da ioga nos sintomas da menopausa é limitado”, que logo me chamou atenção.

Evidentemente que a pratica de ioga e seus benefícios vêm sendo pesquisados e nós, praticantes e professores, seríamos ufanistas se pensássemos que ioga é bom e curativo para tudo e todos. Por esta razão verifico sempre as pesquisas.

Aparentemente o texto foi traduzido de uma matéria de Nicholas Bakalar, do The New York Times, o que me deixou com mais dúvidas ainda, sobre a explanação da pesquisa, a interpretação dos resultados e sobre a própria pesquisa.

Segue o texto: “Muitas mulheres procuram alternativas naturais à terapia de reposição hormonal para tratar os sintomas da menopausa, uma delas é a ioga. Entretanto, uma nova e rigorosa pesquisa mostrou que, na melhor das hipóteses, os benefícios da atividade física são limitados.

Os pesquisadores dividiram aleatoriamente em dois grupos as 249 mulheres participantes, um deles realizou uma sessão de ioga semanal de 90 minutos durante 12 semanas e o outro manteve suas atividades habituais.

A sessão de ioga era composta por exercícios respiratórios, entre 11 e 13 posições, e a ioga Nidra, técnica meditativa de relaxamento profundo. O estudo foi publicado no periódico Menopause.

Em comparação ao grupo que realizou suas atividades habituais, o grupo que praticou ioga apresentou melhoras nos sintomas da insônia, uma queixa comum da menopausa.

Entretanto, não foram relatadas melhoras significativas em termos estatísticos em relação aos outros sintomas. O grupo da ioga apresentou uma diminuição das ondas de calor e dos suores noturnos, dos iniciais 7,4% ao dia para 4,6% no final do estudo.

No entanto, as diminuições foram semelhantes no outro grupo, com redução de 8% para 5,4%. Não houve diferenças significativas entre os dois grupos em relação à depressão ou à ansiedade, nem severidade visível das ondas de calor ou dos suores noturnos.

“Muitas mulheres têm ondas de calor”, afirmou Katherine M. Newton, pesquisadora sênior do Grupo do Instituto de Pesquisas em Saúde e principal autora do estudo. “As mulheres que procuram tratamento estão incomodadas com o estado de ânimo ou com os problemas para dormir. A melhora da insônia foi modesta em nosso estudo, mas a ioga é uma intervenção que talvez ajude”, finaliza.

Bom,

Se as mulheres que procuram estão especialmente “incomodadas com o estado de ânimo ou com os problemas para dormir”, mesmo uma melhora modesta não seria benéfica?

Como resultado de uma pesquisa, uma resposta que contém: “uma intervenção que TALVEZ ajude”é bastante confusa, não acham?

Mas o que mais me chamou atenção sobre a pesquisa foi que o grupo praticante de ioga realizou a prática apenas 01 vez por semana. Que tipo de reposição hormonal, medicação, alimento ou atividade física, no caso da menopausa, é recomendado UMA VEZ POR SEMANA?

Como Yogaterapeuta, já vi muitas mulheres reduzirem significativamente os sintomas da menopausa, mas com pequenas práticas diárias. De duas a três vezes por semana a prática é acompanhada e orientada pelo professor terapeuta especializado. Nos outros dias, a paciente faz em casa a sequencia montada pelo professor. Com 30 minutos é possível fazer uma sequencia terapêutica. Fazer apenas uma sessão de 90 minutos por semana seria o mesmo que tomar uma overdose em um dia e nenhum remédio ao longo dos outros dias. Não funciona com a Yogaterapia, nem qualquer outra prática terapêutica que eu conheça, como a fisioterapia por exemplo.

Portanto, queridos, fiquem de olho em determinadas pesquisas e nas traduções mal feitas por jornalistas. Uma pesquisa séria deveria considerar o que é sugerido pela prática terapêutica, assim como uma reportagem séria deveria se propor a investigação, não apenas a repetição de dados.

Fiquem de olho!