Woman lying on the bed

Sou psicóloga, psicanalista, amiga e aluna da Andrea Alves. Estou muito feliz por iniciar uma parceria, na qual vou escrever semanalmente, compartilhando idéias, reflexões, sob o viés psicólogico em harmonia com todos os nossos corpos (físico, emocional e energético) e com os assuntos abordados no blog.

Para iniciar, pensei em introduzir de forma simples a importância do autoconhecimento.

Gostaria de ressaltar a vontade que tenho de que meus textos possam abrir brechas internas, na mente, no coração e nos sonhos de cada leitor, possibilitando, desta maneira, um entendimento do que ocorre no mundo interno da mente, passo importante para o início das mudanças e transformações, sejam internas e/ou externas.

Desde nossa infância somos educados e treinados, principalmente, a desenvolver nosso potencial cognitivo e motor. Frequentamos a escola até nos tornarmos especialistas em determinada área. Aprendemos vários conceitos de diversas modalidades. Nosso intelecto é altamente estimulado.

Infelizmente pouco aprendemos sobre o nosso processo emocional e como podemos utilizá-lo para atingirmos um funcionamento harmônico e equilibrado entre corpo e mente.

Em quantas situações sabemos como devemos agir, mas não conseguimos colocar em prática? Aquele ditado “na teoria é uma coisa e na prática é outra” significa que o aspecto emocional que nos compõe e que nos acompanha desde o nascimento pode interferir muito mais do que o nosso aspecto cognitivo/intelectual.

De maneira breve explicarei como desenvolvemos nossa mente emocional. Desde o útero e principalmente após o nascimento, todas as experiências que se apresentam, desde os primeiros cuidados até a introdução na sociedade, conduzem e marcam a forma como funcionamos no mundo.

Muitas experiências do passado ficam gravadas em nossa mente e determinam nossas ações. Para a psicanálise, o efeito em nós da maioria destas experiências são inconscientes, ou seja, não temos consciência sobre elas. Por isso, elas se sobressaem ao conhecimento intelectual. Este último é consciente, pois aprendemos durante anos. Mas, tudo o que nos é inconsciente e que também funciona em nós, tem uma força maior e acaba impelindo nossas ações e escolhas, muitas vezes contrárias e em desarmonia ao nosso processo natural de evolução.

Numa análise ou psicoterapia (nome mais popular) a pessoa pode descobrir essas experiências emocionais e como elas funcionam, tornando-as conscientes, o que possibilita um conhecimento maior sobre o que ocorre internamente. Com isso, ela consegue conduzir suas escolhas de maneira mais condizente com seus reais desejos.

Se somarmos isso ao nosso conhecimento intelectual, passamos a ter muito mais ferramentas para lidar com o estresse, com as situações difíceis que enfrentamos na vida, diminuindo a ansiedade, a depressão, as angústias e o sofrimento.

Nesse caminho do autoconhecimento conseguimos integrar todos os aspectos que nos compõe, o que leva a sentimentos de felicidade, realizações, bem estar e saúde. Quando somos gerenciados por nosso “corpo emocional” e este encontra-se em desequilíbrio ou sofrimento, adoecemos no corpo físico.

Cristina Ciola Fonseca
Psicanalista, graduada na PUC-SP, com especialização na UNIFESP
Consultório particular (11) 5052 9286
[email protected]

  • Como eliminar o sofrimento Por que sofremos? As vezes, conseguimos identificar o motivo de um sofrimento e tentamos saná-lo. O problema é quando nos deparamos em seguida com o mesmo tipo de sofrimento ou quando […]
  • Remédios psiquiátricos são eficientes até que ponto? Semana passada escrevi sobre auto conhecimento. Na mesma semana participei de uma conversa no facebook sobre medicalização. Era um comentário de um médico sobre o uso abusivo de […]
  • Desenvolvimento emocional – Parte 2 Neste post continuarei a abordar questões importantes que influenciam e determinam o desenvolvimento emocional. Para quem não leu o post anterior, acessar desenvolvimento emocional – […]
  • Relacionamento superficial A rotina pode tornar um relacionamento superficial e ser um dos fatores impeditivos para encontros mais profundos. A correria do dia a dia, o cansaço pelo excesso de trabalho, […]