Air conditioned pleasure

Se tem um país calorento no mundo é os Estados Unidos. Atualmente, os americanos usam mais energia do que todas as nações do mundo juntas, para se manterem fresquinhos sob o ar-condicionado. Mas à medida que as condições econômicas melhoram em outros países, o aumento no uso deste eletrodoméstico deverá disparar, colocando uma pressão sem precedentes sobre a oferta global de energia.

É o que aponta um estudo da Universidade de Michigan, que projeta o crescimento da demanda de energia nessa seara nas próximas décadas. Em artigo publicado no periódico científico American Scientist, o pesquisador Michael Sivak calcula que oito países têm potencial de superar os americanos: Índia, China, Indonésia, Nigéria, Paquistão, Bangladesh, Brasil e Filipinas.

Para se ter uma ideia do que pode vir pela frente, apenas a cidade de Mumbai, na Índia, tem potencial de gerar uma demanda equivalente a um quarto do consumo americano de um ano, devido a combinação de dois fatores – uma população suficientemente grande e um clima suficientemente quente.

Sivak calculou a demanda potencial de diferentes países com base no “Índice de arrefecimento”, que dá uma indicação da energia necessária para resfriar espaços interiores. Com base nesse índice, ele projetou qual seria o consumo de energia em cada país, se o uso de ar condicionado se tornasse tão prevalente como é nos Estados Unidos, onde 87% dos lares estão equipados com ar condicionado.

Global Warming - Bangladesh - Threat of Flood and Drought

De acordo com seu artigo, alguns países já estão chegando próximo disso. Na China, o percentual de domicílios com um aparelho de refrigeração cresceu de menos de 1% em 1990 para 62% em 2003. Na Índia, que em 2007 registrava 2% de lares com ar-condicionado, vê as vendas do aparelhos aumentarem 20% a cada ano.

A implicação direta dessas altas é óbvia – o aumento na demanda por energia, diz Sivak. Segundo o pesquisador, a Índia tem potencial de usar cerca de 14 vezes mais energia para resfriamento que os Estados Unidos.

Já a China e a Indonésia superariam o consumo de energia dos americanos em 5 e 3 vezes, respectivamente. O Brasil também está na lista, com potencial de superar o consumo americano de energia pelo ar-condicionado em quase duas vezes.

Para o pesquisador, um caminho possível para frear este aumento na demanda é o da eficiência energética, com o desenvolvimento de aparelhos de ar-condicionado que entregam a mesma qualidade, mas consomem bem menos energia.

E é preciso pavimentar este caminho o quanto antes. Sivak destaca que a mudança climática deverá pressionar ainda mais a demanda por refrigeração no longo em prazo.

Ele cita um estudo feito pela Agência de Avaliação Ambiental da Holanda, que avaliou o futuro uso de energia residencial para refrigeração no contexto da mudança climática. A projeção preocupa. De acordo com o centro de pesquisa, em 2100 a demanda mundial de energia para o ar condicionado pode aumentar em 72%, como resultado das mudanças climáticas.

A arquitetura bem planejada pode trazer maior conforto ambiental, mas não tem sido este aspecto um grande forte das construtoras em nenhuma parte do mundo. O ideal é avaliarmos, dentro de nossas casas, quando este consumo de ar condicionado é realmente necessário e, nestes casos, investir em equipamentos de alta tecnologia. Assim fazemos a nossa parte com o consumo consciente.

  • Lixo no mar NÃO! Entenda como você também pode estar com as mãos cheias deste plástico. Acordando mais um dia no paraíso, numa reserva ecológica no litoral fluminense, rumo à praia que nos […]
  • Green Nation Fest na Cidade Maravilhosa Hoje (05 de junho) é dia de comemoração: Dia Mundial do Meio Ambiente e Ecologia. E para celebrar a data, acontecerá até 07 de junho no Rio a Green Nation Fest, um super festival de […]
  • Como tornar a arquitetura e construção mais sustentáveis Free Spirit Spheres, pousada em Central Vancouver Island, no Canadá* Estes dias escrevi uns artigos para o Portal Namu sobre arquitetura sustentável, assunto que amo de paixão. Por lá […]
  • Conheça os principais nutrientes para as plantas Assim como os seres humanos, as plantas também precisam de nutrientes que auxiliem no enraizamento, crescimento e geração de flores e frutos. Você já deve ter ouvido falar em NPK. […]