yoga1

“Se os benefícios da ioga pudessem ser colocados em um remédio, ele se tornaria a droga mais vendida no mundo inteiro”.
Esta declaração é da pesquisadora Meera Balasubramaniam, que com sua esquipe da Universidade Duke (EUA), analisaram mais de 100 estudos ligados aos benefícios da Yoga, concentrando-se unicamente nos benefícios da ioga para desordens psiquiátricas. Destes, dezesseis foram considerados de alta qualidade e com experimentos controlados seguindo as melhores práticas científicas.

O estudo mostrou que a yoga tem efeitos positivos, mesmo na falta de tratamentos com os remédios tradicionais, sobre a depressão, problemas de sono, esquizofrenia e hiperatividade (TDAH – Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, ou ADHD na sigla em inglês). Vale lembrar que os antidepressivos e ansiolíticos são os medicamentos mais vendidos no Brasil.

Foram confirmados benefícios da ioga para todas as doenças mentais incluídas na revisão, exceto para desordens alimentares, como bulimia e problemas cognitivos, cujos indícios se mostraram fracos ou conflitantes.

Prioridade Global

Os cientistas deram destaque a estudos fisiológicos, nos quais foram acompanhados os chamados biomarcadores, mostrando que a ioga influencia elementos da biologia do corpo humano, gerando benefícios comparáveis aos da psicoterapia e dos antidepressivos – mas sem os efeitos colaterais destes últimos.

Segundo os cientistas, a prática da ioga afeta neurotransmissores, estresse oxidativo, inflamação, lipídios, fatores de crescimento e mensageiros secundários.

“A busca por melhores tratamentos, sobretudo aqueles não baseados em medicamentos, para atender às necessidades totais dos pacientes, é de importância extraordinária, e nós recomendamos que mais pesquisas sobre a ioga sejam consideradas uma prioridade global,” concluem os autores.

Fonte: Diário da Saúde