Men from different eras

Temos falado muito aqui no blog sobre diferentes maneiras para desenvolver consciência, felicidade e paz. Isso porque quando questionados sobre o que desejam da vida, a grande maioria dos seres humanos dirá que deseja ser feliz, e apresentará uma lista do que constitui a felicidade, como saúde, dinheiro, filhos e reconhecimento!

Muito abalada com a notícia do menino de 05 anos que foi assaltado e assassinado na semana passada, refleti sobre meus primeiros pensamentos a cerca dos rapazes que fizeram esta atrocidade, e posteriormente sobre a postura da nossa sociedade em relação a um acontecimento como este, que infelizmente se tornou corriqueiro para nós e pode facilmente ser superado no dia a dia com alguma coisa mais “eletrizante” como a Copa da Confederações, por exemplo.

Reflito primeiro sobre a nossa facilidade em dedicar diariamente muito tempo a coisas tão superficiais e vontades egocêntricas, e nenhum tempo a uma oração, pensamento ou meditação sincera para que o mundo todo tenha paz, urgência absoluta para todos nós. Até mesmo nossas orações são destinadas ao nosso mundo particular, a própria família ou outros desejos materiais, limitados e passageiros. “O problema do outro não me interessa!” “Ainda bem que foi com o filho do outro e não com o meu”.

Faço para vocês uma análise breve sobre a natureza do comportamento humano e porque sinto as vezes algum cansaço em relação a projetos otimistas para o futuro.

O cérebro humano é dividido em três partes: as duas primeiras, presentes em outros mamíferos, são o Reptílico e o Límbico, responsáveis pelo instinto primitivo de sobrevivência e pelas emoções respectivamente. Especialmente no Límbico, onde as emoções não são acompanhadas de razão, discernimento e análise mas baseadas essencialmente em impulsos, mantemos nossas vontades egoicas latentes, o desejo de fazer parte da massa e ser aceito pelo grupo, e as frustrações dos desejos não atendidos. É pensando nesta parte do cérebro que são desenvolvidas as campanhas publicitárias para que você “PRECISE” comprar um novo e lindo carro, “NECESSITE” de novos eletrodomésticos e “NÃO POSSA VIVER SEM” a roupa, a bolsa e o relógio x, y, z. O centro das emoções a altamente sugestionável e manipulável. E um tanto quanto primitivo.

O terceiro cérebro é o Córtex Frontal, o que torna o ser humano diferente dos outros animais, pela sua capacidade de discernimento e análise, refinamento das idéias e elaboração de soluções. É ele que te diz para não comprar algo que você não precisa e que já comprou o mês passado. Ele que avalia que o mundo não se trata apenas de suas vontades infantis mas de uma massa que depende da cooperação para sobreviver.

Para que o Córtex frontal participe com frequência das decisões cotidianas e aja com soluções para os nossos problemas, dentre eles a falta de felicidade e paz que assolam a humanidade, é necessário que seja estimulado ao longo da vida, não só com atividades intelectuais provenientes dos estudos, como também pelo exercício do auto conhecimento e pelos debates que trazem diferentes pontos de vistas e enriquecem o pensamento.

Como passamos milênios dependendo do cérebro Límbico para sobreviver, nossa tendência natural é basear nossas decisões, pensamentos e reações nas emoções, quase sempre egoístas. Por outro lado, estimular o discernimento requer dedicação e compromisso diários com a evolução. Mover-se da zona de conforto pode ser cansativo e demandar muita coragem, embora sempre recompensador.

Voltamos então ao início deste texto:

Quantos de nós têm estímulo, força de vontade, determinação, coragem e disciplina para se dedicar a evolução? É mais fácil ligar a TV do que ler um livro, mais fácil falar do outro do que analisar a si mesmo… A natureza, apoiada pela negligência, escolhe o caminho mais fácil e responsabiliza o outro, e não a si mesmo, pelos conflitos, pela burrice e pela ausência da felicidade.

Sejamos honestos: cultivar a paz, que nasce individualmente em cada coração, refletir diariamente sobre como ampliar o Amor além dos seus laços próximos e emanar pensamentos positivos incondicionais a TODOS não é prática comum, mesmo que exija apenas UM minuto por dia.

Por isso, àqueles que não meditam, convido a prática de uma oração, pensamento ou apenas um minuto de silêncio diários. Precisamos todos assumir a responsabilidade por vibrações tão densas e trabalhar internamente para que as coisas “lá fora” mudem também, mesmo desejando que a justiça seja devidamente aplicada a criminosos hediondos.

Quando conseguirmos concentrar nossas ações em um cérebro mais desenvolvido, pensaremos coletivamente de forma mais desenvolvida, sutil e voltada para o propósito da felicidade e da paz.