USA, New Jersey, Jersey City, Man touching forehead, woman in background

Li um artigo muito interessante esta semana do Dr. Ailton Amélio, psicólogo clínico autor de vários livros sobre relacionamento, e pela sua temática bastante polêmica resolvi compartilhar com vocês.

Como empurrar o seu parceiro para a traição

A incidência da traição vem aumentando muito. Algumas pesquisas recentes verificaram que mais de 70% das pessoas já traíram pelo menos uma vez na vida. As mulheres, que antigamente traíram menos do que os homens, agora estão se igualando a eles e, talvez, até superando-os nesta atividade.

Causas da Traição

Existem diversos motivos para a traição e para o aumento da sua incidência. Os principais deles são os seguintes:

1- Enfraquecimento das barreiras externas que dificultavam a traição

Atualmente, a sociedade condena muito menos a traição do que há uns trinta anos. Por exemplo, a opinião pública não condena tanto aqueles que perdoam uma traição. A lei não considera mais a traição como crime. A religião perdeu muito da sua influência para regular a sexualidade. As mulheres estão se firmando profissional e economicamente e, por isso, conseguem arcar muito melhor com as consequências da interrupção de um relacionamento provocadas pela traição. Ou seja, as consequências da traição são bem menores agora para homens e mulheres.

2- É natural sentir atração por várias pessoas.

Quando nos comprometemos com alguém não ficamos cegos, surdos, anósmicos e insensíveis ao tato em relação ao charme, sex appeal e carisma de outras pessoas. Só nos comprometemos a não nos deixarmos guiar por esses atrativos. Mas a tentação está lá a todo o momento.

3- Gostar muito de sexo (alto grau de erotofilia).

Esse grande apetite traz muitos benefícios para o relacionamento. Por outro lado, ele também favorece as fantasias e o desejo por outras pessoas.

4- Gostar muito da variação de parceiros.

O desejo por novidade também é conhecido como “Efeito carne fresca” ou “Efeito Coolidge”. Esse tipo de efeito é captado por ditados populares como “A grama do vizinho sempre é mais verde”.
Esse efeito já foi constatado também em outras espécies de animais. Por exemplo, uma nova fêmea revigora uma boa parte do desempenho sexual de um rato que acabou de transar com outra fêmea até a saciedade.

5- Possuir barreiras internas muito fracas contra a traição.

Por exemplo, não possuir valores que impeçam o “engano” do parceiro; não ter consciência das consequências da traição.

6- Estar muito exposto a tentações.

Por exemplo, ter contato continuado com possíveis parceiros atraentes no ambiente de trabalho. Outro exemplo: possuir muitos atrativos que provoquem o assédio por parte de possíveis parceiros atraentes.

7- Ter um relacionamento insatisfatório com o parceiro

Muitas pessoas têm um relacionamento altamente insatisfatório com o parceiro: acontecem muitas brigas, recebem pouca consideração, pouca amizade e cumplicidade, quase nada de romance e quase não há atração sexual mútua. Quando isso acontece, não é nada surpreendente que apareçam as traições. Essas pessoas perderam boa parte dos motivos para permanecerem leais aos parceiros e se tornam muito vulneráveis quando são bem tratadas por outros possíveis parceiros.

8- Ter um relacionamento sexual insatisfatório com o parceiro

Esse tipo de insatisfação produz motivação direta para a busca da satisfação sexual em outro lugar.
Um único desses oito motivos pode ser suficiente para que ocorra a traição. No entanto, o mais comum é que vários motivos contribuam para sua ocorrência. Neste artigo, vamos examinar essas duas últimas causas da traição porque elas dependem de quem vai ser traído!

Corbis-42-17392633

Como o mau relacionamento e o sexo insatisfatório empurram o parceiro para a traição

Vamos apresentar aqui algumas das principais maneiras de desenvolver um mau relacionamento com o parceiro e de deixá-lo bastante carente na área sexual.

1- Trate mal o parceiro.

Um relacionamento é agradável quando segue a regra 5 X 1: leve cinco unidades de coisas boas para o parceiro para cada unidade de coisa ruim (John Gottman). Para empurrar o seu parceiro para a traição inverta essa regra: leve mais coisas ruins do que boas para ele. Por exemplo, deixe de admirá-lo. Desinteresse-se do que ele anda sentindo e pensando. Deixe de mostrar que se orgulha dele.

2- Deixe de tratar o seu parceiro como alguém que desperta o seu romantismo e desejo sexual e passe a tratá-lo como um amigo assexuado.

Só mostre desejo sexual por ele na hora de transar. Só mostre aquele tipo de desejo que vem da necessidade sexual e não aquele desejo que é provocado pelos atributos do parceiro. Este tipo de tratamento vai fazer que o seu parceiro também só a veja como uma colega ou amiga(o), mas aquela colega de trabalho…

3 – Deixe seu parceiro sem sexo por muito tempo.

Esse procedimento vai ter duas consequências no parceiro: (1) vai fazer que ele fique subindo pelas paredes de tanto desejo e (2) vai fazer que ele tente conquistar outras pessoas para testar e melhorar sua autoestima e afastar as duvidas sobre o próprio desempenho sexual.
Ele vai começar a pensar em sexo o tempo todo, vai começar a investir o seu tempo para agradar e atrair pessoas sexualmente atraentes e vai começar a considerar que não é tão grave assim uma traiçãozinha sem consequência.
Além disso, ele vai concluir que você não gosta dele, não tem atração por ele, que ele não é atraente e que deve ser muito mau de cama. Uma maneira de checar se tudo isso que ele está pensando é verdade é tentar conquistar outra pessoa para testar sua competência sexual e melhorar sua autoestima.
É incrível como muita gente passa um tempão sem transar com o(a) parceiro(a) e espera que, mesmo assim, ele se mantenha fiel.

4- Não traga nenhuma novidade para a cama.

Você faz todo o dia tudo sempre igual? Pois bem, o cônjuge pode ir buscar lá fora a novidade que está faltando em casa.
Em parte, esse efeito é inevitável. Transar com o mesmo parceiro por anos em seguida tira boa parte da novidade.
Boa parte das reações de um desconhecido é vista como novidade. Por exemplo, a sua satisfação, admiração e prazer são com aquilo que você está dizendo são novidades. Conquistar e seduzir um novo parceiro é excitante e melhora a autoestima.
Por outro lado, creio que um mesmo casal pode estar sempre experimentando novidades em diversas áreas do relacionamento, inclusive na área sexual. O maior segredo para conseguir isso é deixar que as nossas variações naturais de motivação, emoção e objetivos sejam trazidas para o relacionamento. Só isso já introduz um ótimo grau de imprevisibilidade no relacionamento. Não é necessário programar variações, ler livros sobre como enlouquecer o parceiro na cama ou ir frequentemente ao motel.
A boa regra a ser seguida é: “Prefiro errar um pouco do que corre o risco de abafar o que sinto e penso”.

5- Nunca frequente alguns dos círculos de relacionamento do seu parceiro.

Muita gente nunca compareceu a certos círculos de relacionamento do parceiro. Por exemplo, certas pessoas nunca foram ao local de trabalho do parceiro e não conhecem pessoalmente os seus colegas. Quando há um isolamento desse tipo, o parceiro pode desenvolver uma identidade que não inclui o fato de estar comprometido. Essa ausência também poupa os colegas de ter que mentir para acobertá-lo quando o parceiro traído está presente.
O comparecimento a estes locais de relacionamento do parceiro ajuda a “queimar o filme” do parceiro diante de outros possíveis interessados. Abraçar e beijar o parceiro na frente de outras pessoas faz que os interessados fiquem em uma posição humilhante e nas sombras. Eles terão que disfarçar o que sentem e engolir em seco. Isso estraga o clima que tinham com o parceiro mesmo quando o cônjuge que seria traído não está mais presente.

6- Traia e aumente as chances de ser traído.

“Fez comigo, vou fazer de volta”. “Se ele tem direito, também tenho”. “Sinto-me muito mal em uma situação onde tenho menos direito que a outra parte”. “Sinto-me bobo e submisso aceitando isso.”
Uma enquete recente com pessoas traídas revelou que um quarto das mulheres que traem são motivadas pela vingança e pelo princípio da justiça. Um dos princípios que rege os relacionamentos é o dos direitos iguais. Se uma pessoa se dá ao direito de fazer algo, o seu cônjuge sentir-se-á lesado e bobo se não se der o direito de fazer o mesmo. Não reparar esse tipo de situação manterá aquela sensação de estar tolerando algo que não devia. Uma situação assimétrica no campo dos direitos e deveres dos parceiros geralmente baixa a autoestima daqueles que se sentem diminuídos com essa assimetria ou que estão tolerando este tipo de situação.

Você está empurrando o seu parceiro para a traição?

Fonte: Aílton Amélio, psicólogo clínico. Repostagem de Uol Saúde.